sexta-feira, 16 de novembro de 2018

Estilos de lideranças e os impactos junto aos colaboradores

Cada perfil influencia de modos distintos o ambiente de trabalho, o comportamento dos profissionais e o desenvolvimento das atividades profissionais


É muito importante conhecer a relação do líder com seus liderados e observar d eque forma ele pode orientar sua conduta e seu estilo de liderança para a busca de melhores resultados de gestão. Por isso, veremos a seguir as influencias de quatro estilos de liderança - a autocrática, a liberal, a democrática e a coaching - nos resultados de desempenho e no comportamento das pessoas.

Liderança Autocrática

A ênfase dessa liderança é no próprio líder. Na liderança autocrática, o líder centraliza totalmente a autoridade e as decisões, e os subordinados não têm nenhuma liberdade de escolha. A figura do "chefe" se sobressai e as pessoas recebem ordens, possuindo pouco espaço para questionamentos ou sugestões.


O líder autocrático costuma:

1. Ser dominador;
2. Emitir ordens a espera da obediência plena e cega de seus subordinados; e
3. Ser temido pelo grupo, que só trabalha quando ele está presente.

Os grupos subordinados à liderança autocrática apresentam um maior volume de trabalho, com evidentes sinais de tensão, frustração e agressividade, e, em função disso, costumam apresentar insatisfação, falta de motivação e uma propensão a gerar conflitos entre os colegas.


Liderança liberal

Ao contrário da autocrática, esse estio de liderança tem enfase no liderado. Neste modelo, o líder permite total liberdade para a tomada de decisões individuais ou em grupo, participando delas apenas quando solicitado. A liderança liberal enfatiza somente o grupo. Dessa forma, as pessoas tendem a exercer atividades mais intensas pela liberdade observada.

Nesse tipo de liderança, o líder só ajuda quando solicitado, confiando plenamente no trabalho do liderado. Ele parte do pressuposto de que os colaboradores são maduros o suficiente e estão aptos a desempenhar as suas tarefas, sem a necessidade de um acompanhamento constante. Por isso, com o passar do tempo, e sem a necessidade de prestar contas, o grupo tende a oferecer baixa produtividade e um certo individualismo no seu desempenho. 

O comportamento do líder é evasivo e sem firmeza

Os grupos submetidos a liderança liberal não se airam bem quanto a quantidade  nem a qualidade do trabalho. E ainda apresentam:

1. Fortes sinais de individualismo;
2. Desagregação;
3. Insatisfação; e
4. Pouco respeito ao líder, que é ignorado pela grupo.


Liderança democrática

Esse é um estilo de liderança interessante na gestão de qualquer negócio. Nesse modelo, o líder se torna um facilitador do processo, ajudando os colaboradores a executarem bem as suas tarefas e primando por um clima agradável de trabalho. ou seja, ele se preocupa com a execução do trabalho em si, mas também com a qualidade de vida e satisfação da sua equipe de trabalho.

Na liderança democrática, o líder:

1. Interage bem com a equipe e com os indivíduos;
2. Encoraja a participação das pessoas; e
3. Preocupa-se igualmente com o trabalho e com o grupo.

O líder é bastante participativo e atua para orientar o grupo, ajudando-o na definição dos problemas e nas soluções, coordenando atividades e sugerindo ideias.

Os grupos submetidos à liderança democrática apresentam boa quantidade e melhor qualidade de trabalho, acompanhadas de um clima de satisfação, interação, responsabilidade e comprometimento das pessoas.


Liderança coaching

Esse é um estilo de liderança dos tempos modernos. Onde a performance dos liderados esta em foco.

O líder exibe um verdadeiro interesse pelo aumento da performance dos seus subordinados, acompanhando a evolução de cada um, incentivando-os e dando feedback constantes para manter as pessoas motivadas e alinhadas em suas atividades.

Nesse modelo, o líder:

1. Busca manter seus colaboradores sempre motivados;
2. Promove criar um ambiente de trabalho agradável, com um clima de cooperação e confiança; e
3. Estimula uma visão positiva do futuro na equipe de trabalho, primando pelo desempenho de cada individuo.

Posturas diferentes, resultados distintos

Em cada um desses quatro estilos de liderança, a atuação do líder promove uma cadeia de comunicação no grupo. O estudo que deu origem a essas definições defendeu fortemente a adoção da liderança democrática.

os motivos foram o fato de ela ser compatível com:

1. Administração participativa; e
2. A estratégia de interdependência em que as decisões são repartidas, o que torna todos corresponsáveis, conscientes e profissionais.

Adequação da liderança à situação

Um gestor pode escolher um estilo de liderança de acordo com:

1. A tarefa a ser executada;
2. As pessoas; e 
3. A situação.

Isso se chama liderança situacional. Nesse caso, a ênfase é na maturidade do liderado em relação à uma determinada situação. 

O gestor eficaz tanto manda cumprir ordens como sugere aos subordinados a realização de certas tarefas, ou ainda os consulta antes de tomar alguma decisão.

O desafio está em saber quando aplicar cada estilo, com quem e em que circunstâncias.

Fonte: CEBRAE

sexta-feira, 2 de novembro de 2018

Bolsonaro convida Moro para o governo


Tenho observado os últimos acontecimentos políticos por meio da imprensa. O Jair Messias Bolsonaro segue surpreendendo a tos nós. Algumas vezes por suas falas e em outras por suas ações.

Sim, usei o termo surpreendendo, pois todos ficamos surpresos com a nomeação do Juiz Sergio Moro para o super Ministério da Justiça. Nesse caso, inclusive, a surpresa foi em dobro. Primeiro pelo presidente eleito chamar Moro para compor o governo; Segundo pelo Moro aceitar. Logo ele, implacável com os crimes do colarinho branco e com os políticos - inclusive teria Sergio Moro declarado alguns anos antes que não pretendia ingressar na politica.

Outro fato surpreendente é a redução do numero de Ministérios, bem ao estilo Fernando Collor de Melo, pretende Bolsonaro manter 15 ou 16 Ministérios. Se essa medida realmente reduzir as despesas com o custo Brasil tudo bem. Mas a grande surpresa neste campo, aos meus olhos, se apresentam em dois campos. O primeiro em ver como pecuaristas irão se comportar ao sentar para o debate à mesma mesa com os ambientalistas, e ainda, ver como se dará o cumprimento das leis ambientais no campo e no agronegócio.

E, por falar em Meio Ambiente, ainda não vi as propostas do presidente eleito para este setor.

"Quanto ao presidente eleito, fato é que, independente de quem votou nele ou não, ele deverá governar para todos os brasileiros, respeitando as leis, a nossa constituição federal e principalmente o combate a violência e as desigualdades."